icone Notícias

Design Thinking: o que ele pode mudar na sua empresa?

23 de novembro de 2016

design-thinking

O termo é relativamente recente no meio empreendedor, mas tem chamado atenção e conquistado espaço. As vantagens são cada vez mais evidenciadas e comprovadas por quem alia os conceitos do Design Thinking aos negócios, gerando ótimos resultados.

design-thinking

 

Não se deve confundir as práticas do Design Thinking com ações fechadas ou fórmulas prontas, já que o processo consiste em uma abordagem e não em uma metodologia. Ou seja, a proposta é implementar novos modo de enxergar os problemas e as rotinas da empresa, buscando novos e melhores modos de solucionar e encaminhas as ações.

Mais do que buscar soluções

Toda empresa ou negócio, quando se depara com um problema, busca a melhor maneira de solucioná-lo. Mas o conceito do Design Thinking é ir além da solução mais evidente, construindo e buscando novos caminhos através da discussão e pensamento colaborativo.

design-thinking-e-mais-do-que-buscar-solucoes

 

Ao invés de a empresa adotar os procedimentos mais comuns ou habituais, sendo foco apenas à solução imediata do problema, nessa abordagem, toda a situação é colocada em foco, observando os diversos processos e contextos que envolvem a empresa, os clientes e o problema. Assim, as soluções visam melhorar os processos como um todo.

Encontrar soluções criativas, inovadoras e que englobem as diferentes realidades da empresa, considerando as necessidades de mercado e aliando muita flexibilidade e espírito aventureiro são as bases para aplicar o Design Thinking à sua empresa.

Seja flexível

A abordagem vai além de mentes criativas planejando novas soluções. Ela se baseia em novos olhares para a empresa e para o mercado, considerando todos os envolvidos no processo de vendas ou atendimento. Isso inclui os vendedores, os empreendedores e os clientes, considerando os aspectos coletivos e individuais de cada um.

seja-flexivel

 

Pode parecer um trabalho complexo e, às vezes, inviável em uma realidade de mercado que exige cada vez mais resultados e produtividade. Mas a flexibilidade em inserir as características de cada integrante traz melhores resultados à empresa, otimizando os processos de atendimento, evidenciando os consumidores e melhorando os aspectos de interação na empresa.

Oportunidades criativas

Acredite nas inovações e busque oportunidades de testar novos rumos. É importante estar atento aos rumos de mercado, necessidades dos clientes e ter o feeling empresarial. Boas oportunidades surgem com as mudanças de mercado, mas é necessário conhecer o perfil da empresa e dos cooperados para se aventurar pelos caminhos compatíveis.

oportunidades-criativas

Ou seja, a criatividade e a coragem para novos rumos é fundamental, mas o conhecimento da área e a afinidade da empresa é essencial para obter sucesso nas empreitadas, por isso invista em conhecimento do mercado e em autoconhecimento individual e empresarial.

Aposte e desenvolva

O Design Thinking é definido por muitos especialistas da área como ideias inovadoras, produtos criativos e empresas que oferecem soluções alternativas e econômicas para o mercado. A decisão do que e de como empreender é resultado das análises e estudos de mercado e empresarial.

aposte-e-desenvolva

 

Ou seja, a partir dos pontos que você identificou como demanda dos consumidores, aliados às capacidades da sua empresa, é hora de inovar em suas ofertas e produtos. Muitas empresas novas decidem o nicho de comércio baseadas em números e estatísticas, o que gera um grande fluxo de empresas atuando de forma igual no mercado. A abordagem do Design Thinking propõe identificar as necessidades de mercado a partir da percepção de quem experimenta, compra e vive no meio comercial, e não através de números e dados estabelecidos.

 

Por que Design Thinking?

porque-design-thinking

Áreas de estudo como engenharia, antropologia e administração, desde 1960, pensavam num modo eficaz de alinhar o conceito de design às estratégias e busca por soluções. O conceito de abordagens voltadas à estética e à expansão criativa foi ganhando espaço e, a partir dos anos 2000, abordagens empresariais e mercadológicas começaram a trabalhar com o pensamento em design. A partir daí, escolas e cursos se especializaram em aplicar, efetivamente, a abordagem criativa à realidade de mercado, apresentando novas formas de lidar com o público e com a concorrência, expandindo os negócios e abrindo novos rumos aos negócios.

Voltar

Deixe uma resposta